Impacto ambiental da guerra na Ucrânia

Atualizado em junho 1, 2023 por Ecologica Vida

A Rússia e a Ucrânia estão em guerra desde fevereiro de 2022. Com os EUA recentemente prometendo à Ucrânia uma tonelada de novas armas militares e sistemas de defesae o Os russos lançam uma nova ofensivaO conflito não deverá terminar em breve. Não há dúvida de que a guerra na Ucrânia está a devastar o ambiente local e que estes danos colaterais nos acompanharão durante anos.

O Ministério do Ambiente da Ucrânia declarou que pretende A Rússia deve pagar pelos danos ambientais Para o efeito, têm vindo a recolher provas dos crimes de guerra cometidos pela Rússia, a fim de a perseguir após a guerra.

A utilização de ataques com mísseis em grande escala causou danos generalizados à vegetação, à vida selvagem e às infra-estruturas. Alimentos e abastecimento de água foram destruídas ou contaminadas. Além disso, a deslocação de milhões de pessoas levou à destruição de habitats naturais.

O impacto na vegetação pode ser particularmente grave. Em alguns casos, foram destruídas florestas inteiras. Este facto não só tem impacto no ambiente local, como também contribui para acelerar o crescimento global. alterações climáticas.

Como é que a guerra na Ucrânia afecta a vida marinha?

A utilização de explosivos, na luta pelos territórios oceânicos e costeiros, pode criar ondas de choque subaquáticas que danificam ou matam a vida marinha.

Durante as explosões no mar, há frequentemente fugas de petróleo dos navios danificados que podem sufocar e envenenar a vida marinha. Os naufrágios da Segunda Guerra Mundial tiveram um impacto significativo na vida marinha. impacto na vida selvagem aquática. No entanto, a investigação ainda não determinou o número de armas usadas (cartuchos explosivos e detritos) que se encontram no fundo do mar e, sobretudo, o seu impacto a longo prazo nos ecossistemas marinhos, resultantes da guerra russo-ucraniana.

Uma bandeira da Ucrânia em águas pantanosas
É ainda necessária mais investigação para compreender os efeitos da guerra russo-ucraniana na vida marinha

Perda de biodiversidade

Mesmo que a guerra terminasse magicamente hoje, seriam necessárias décadas para recuperar dos efeitos nocivos da degradação dos solos e da perda de biodiversidade. A Ucrânia contém 35% da biodiversidade da Europa e contém 54 parques nacionais.

O Grupo Ucraniano de Conservação da Natureza (UNCG) compilou uma lista de cerca de 20 plantas endémicas. A sua conservação está ameaçada por explosões, pela passagem de veículos militares e por incêndios devastadores. Estes incêndios não são normalmente apagados nas zonas de combate e são deixados a correr desenfreadamente na área local.

Um em cada três hectares destruídos pelo fogo na Ucrânia é uma área protegida, de acordo com a Zoï Environment Network, uma ONG sediada na Suíça. A ONG contabilizou mais de 37.000 incêndios causados por ataques entre fevereiro e junho - apenas quatro meses de guerra. Estes dados foram recolhidos por imagens de satélite da NASA. "Estas plantas encontram-se nos territórios ocupados pela Rússia, onde estão a ocorrer bombardeamentos em grande escala. Se perdermos estas espécies no seu ambiente natural, perdê-las-emos para sempre", afirmam os activistas.

Mais de 17.000 hectares de floresta foram destruídos na região de Luhansk, causando um prejuízo estimado em cerca de mil milhões de euros em danos ambientais. A capacidade dos ecossistemas florestais de manterem a homeostase e de se defenderem das alterações climáticas e da poluição atmosférica são negativamente afetado pela atual desflorestação causada por bombardeamentos e incêndios.

Durante este conflito, é muito difícil gerir os recursos naturais de forma sustentável. Este conflito militar pode atrasar o progresso das pessoas e o cuidado com o ambiente durante anos, ou mesmo décadas, não só devido aos danos causados, mas também porque, enquanto durar o conflito, o desenvolvimento alcançado no passado é permanentemente apagado.

As armas e os veículos utilizados durante esta guerra serão abandonados em vários tipos de terreno, como os campos agrícolas. À medida que estas armas e veículos se degradam, podem contaminar a água e o solo, bem como prejudicar a saúde dos animais e das pessoas que estão expostas aos seus efeitos poluentes.

Poluentes da guerra na Ucrânia

A poluição ambiental no ar, na água e no solo é suscetível de afetar o desenvolvimento das crianças, aumentar o risco de cancro e de doenças respiratórias e "pode levar anos a ser limpa", afirma o WSJ relatórios.

Cerca de 100 inspectores estão a trabalhar na recolha de amostras de solo e água nos locais de preocupação, de acordo com Iryna Stavchuk, vice-ministra ucraniana da proteção do ambiente e dos recursos naturais. Iryna Stavchuk afirma que, uma vez que os inspectores não têm acesso a muitas zonas do país, é difícil estimar a extensão total dos danos ambientais.

Mas os funcionários do ministério não podem estar em todo o lado. Dois meses após a invasão russa, o Ministério do Ambiente lançou uma aplicação que permitia aos cidadãos enviar fotografias e outras provas de possíveis danos ambientais, que os funcionários podiam depois tentar verificar.

Até meados de outubro, tinham sido registados mais de 2000 incidentes deste tipo. A NASA e a Agência Espacial Europeia também concordaram em fornecer dados de satélite para ajudar a analisar os danos ambientais. As imagens de satélite da Agência Espacial Ucraniana estão a ajudar a localizar os danos em áreas onde os inspectores não podem ir devido à guerra em curso.

Poluição atmosférica

A utilização de explosões e de armas convencionais produz elevados níveis de poluentes atmosféricos sob a forma de partículas (PM), gases tóxicos e metais pesados

As explosões lançam muitos materiais para o ar. Estes materiais vão desde os metais pesados das instalações industriais, passando pelo betão, cabos e tubos nas estradas, até ao amianto nos edifícios. Estes materiais libertam metais pesados e vários agentes cancerígenos que contribuem para o solo, a água e o poluição atmosférica e podem persistir no ambiente durante muito tempo.

A poeira radioactiva é outro poluente a considerar. Desde os primeiros dias da invasão, as forças russas apoderaram-se da central nuclear de Chernobyl. O Ministério do Ambiente ucraniano informou que o movimento das forças militares através das áreas contaminadas levantou poeiras radioactivas. De acordo com o sistema de controlo automatizado da central, este facto levou a um aumento significativo dos níveis de radiação local.

A Ucrânia Oriental, a zona atualmente mais afetada pela guerra russo-ucraniana, é o coração industrial do país. Antes do início da invasão russa, havia 4500 empresas potencialmente perigosas para o ambiente no Donbas, de acordo com um relatório da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE). Estas incluíam minas, refinarias, depósitos de combustível, fábricas metalúrgicas e químicas, muitas das quais se tornaram o principal alvo dos ataques russos destinados a reduzir a capacidade de resistência de Kiev.

A quantidade de gases com efeito de estufa aumentou significativamente desde o início da guerra (os exércitos militares libertam tanto dióxido de carbono como as nações inteiras). O que não está a ajudar na luta contra alterações climáticas.

Perigo nuclear

O alerta nuclear foi acionado desde os primeiros dias da guerra russo-ucraniana, com a ocupação russa da antiga central de Chernobyl. Moscovo também atacou e assumiu o controlo de Zaporiyia, a maior central nuclear da Europa, provocando o pânico devido a um incêndio num edifício do complexo, mas que acabou por ser resolvido. Se o material radioativo no interior da central se tivesse incendiado, a Europa estaria perante a sua segunda maior catástrofe nuclear das últimas quatro décadas.

O medo de uma catástrofe nuclear está ainda muito presente num país ainda ferido pela 1986 Desastre de Chernobylonde um dos reactores teve uma falha no sistema de arrefecimento. Esta catástrofe afectou centenas de milhares de pessoas na União Soviética e no estrangeiro ao longo de décadas. Em Chernobyl, a radioatividade ainda se mantém a dezenas de quilómetros de distância dos antigos reactores nucleares. Normalmente, as pessoas não são autorizadas a aproximar-se da zona de exclusão de 30 km de Chernobyl em torno dos antigos reactores.

O grande "sarcófago" (a estrutura de betão feita para cobrir e proteger o reator) manteve-se intacto apesar dos ataques, mas o tráfego de soldados russos e de veículos militares nas imediações provocou um aumento dos níveis de radiação beta e gama, segundo as autoridades ucranianas. Este facto levou a preocupações de que as tropas russas possam ter sido desnecessariamente expostas a níveis de radiação mais elevados do que o normal.

Os combates em torno das zonas das centrais nucleares de Chernobyl e Zaporizhian deixaram os especialistas seriamente preocupado sobre a possibilidade de fugas radioactivas.

O que pensa da nossa cobertura da guerra na Ucrânia? Deixe-nos um comentário ou uma sugestão para futuros temas ambientais que ache que devemos debater. A SUA opinião é importante.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Deixe o campo abaixo vazio!

Também pode gostar