Crédito: Elianne Dipp/Pexels

Como a ingestão de microplásticos está a afetar os mamíferos aquáticos

Atualizado em março 16, 2024 por Ecologica Vida

Os microplásticos estão presentes em todos os cantos do nosso planeta, desde as vastas extensões dos nossos oceanos até ao próprio ar que respiramos. Estas partículas minúsculas foram encontradas não só no ambiente marinho, mas também em locais mais inesperados, incluindo o leite de vaca e até amostras de sangue humano, revelando o alcance generalizado e preocupante da contaminação por microplásticos.

Ainda sabemos muito pouco sobre a forma como os microplásticos nos afectam e à vida em geral. Neste artigo, vamos explorar as provas científicas recentes que nos dizem como a ingestão de microplásticos está a afetar os mamíferos aquáticos. Também abordaremos as soluções para a crise dos plásticos.

O que são microplásticos? Deve preocupar-se?

Plásticos no oceano

Os resíduos de plástico são um problema moderno de natureza social e ecológica. Encontramo-lo por todo o lado na nossa vida quotidiana. Infelizmente, o plástico foi encontrado no estômago de baleias, tartarugas, peixes e outros animais marinhos.

O plástico representa atualmente cerca de 60-80% dos resíduos encontrados no oceano e é considerado a maior ameaça à vida marinha, mais ainda do que outras ameaças como a poluição, as alterações climáticas, a sobre-exploração dos recursos e as espécies invasoras.1

Os detritos de plástico são transportados a longas distâncias pelos ventos, rios e correntes oceânicas. Todos os anos, entre 5 e 13 milhões de toneladas de resíduos de plástico acabam no oceano, espalhando-se das zonas costeiras para o fundo do mar, através das correntes oceânicas e até mesmo para regiões polares distantes.1

O que são microplásticos?

Definições e origens

Os plásticos decompõem-se em pequenas partículas com menos de 5 mm de tamanho, conhecidas como microplásticos (MPs). Os MPs podem ser primários ou secundários. Os MP primários são produzidos intencionalmente e podem ser encontrados em alguns esfoliantes cosméticos. Os MPs secundários provêm de plásticos maiores que se decompõem em plásticos mais pequenos.

Fontes e impacto

As fontes de microplásticos incluem os suspeitos prováveis, como os sacos de plástico, mas também fontes inesperadas, como o vestuário sintético (por exemplo, poliéster), bem como biberões para bebés e saquetas de chá. Em teoria, tudo o que tem ou é plástico pode produzir microplásticos. Isto é especialmente verdade na presença de calor e raios UV.

Foi mesmo noticiado que, devido à pandemia de COVID-19, 1370 biliões de MPs teriam entrado em ambientes marinhos costeiros até 2020 devido às máscaras cirúrgicas deitadas fora em todo o mundo.2

Devido à sua natureza física e química, os detritos de plástico e microplástico persistem no ambiente durante longos períodos de tempo.

Porque é que os microplásticos são perigosos para os mamíferos aquáticos

Ingestão

A investigação sugere que as baleias ingerem 10 milhões de partículas de microplástico todos os dias. Até à data, foram registadas cerca de 4076 espécies afectadas por detritos marinhos ( LITTERBASE, acedido em 17 de fevereiro de 2024). Destes, a ingestão de plástico foi registada em 655 espécies de mamíferos aquáticos.

Foram mesmo encontrados microplásticos no excremento (fezes) de focas cinzentas que vivem num santuário.3 É aqui que se pode esperar que a poluição por plásticos seja baixa, mas há provas de que os MPs podem subir na cadeia alimentar.3 Estas focas obtiveram MPs através da ingestão de peixes que tinham ingerido MPs ao consumir zooplâncton.

O diagrama mostra como os microplásticos podem viajar ao longo da cadeia alimentar aquática.
Como os microplásticos podem subir na cadeia alimentar aquática. Crédito: Investigação da transferência trófica de microplásticos em predadores marinhos de topo. CC BY 4.0. Não foram efectuadas quaisquer alterações ao esquema original.

Preocupações com a toxicidade

A toxicidade do MP não foi investigada em profundidade em mamíferos aquáticos. Parece que, comparativamente, foi efectuada mais investigação sobre a toxicidade do MP em mamíferos terrestres. O que sabemos é que as MP podem absorver uma variedade (centenas) de produtos químicos diferentes durante o seu fabrico e a partir do ambiente.

Estes produtos químicos incluem, mas não se limitam a, ftalatos, contaminantes organoclorados, ésteres organofosforados, dioxinas, antibióticos, tributilestanho, bisfenol A, óxido de alumínio, crómio, chumbo, cádmio e outros.1 Muitos destes compostos são tóxicos ou podem perturbar o equilíbrio hormonal do organismo (conhecidos como substâncias químicas desreguladoras do sistema endócrino - EDC). Noutro artigo, debatemos a forma como a investigação tem evidenciado os problemas com os EDC nos mamíferos.

mostra como os microplásticos carregados com agentes patogénicos e uma vasta gama de poluentes químicos de várias fontes entraram no ecossistema aquático.
Os MP primários e secundários carregados com agentes patogénicos e uma vasta gama de poluentes de várias fontes entraram no ecossistema aquático. Os mamíferos aquáticos ingerem os MPs diretamente do ambiente e através da teia alimentar. Crédito: Os efeitos adversos para a saúde do aumento da poluição por microplásticos nos mamíferos aquáticos. CC BY-NC-ND 4.0 Escritura.

Os MP actuam como vectores de poluentes e toxinas, como os EDC, os metais pesados, os pesticidas e até os agentes patogénicos.1 Quando os MP entram no corpo dos mamíferos, os processos de biomagnificação e bioacumulação agravam a situação (Efeitos do cavalo de Troia).

A investigação em mamíferos aquáticos sugere que os MP podem reduzir as reservas de energia e a capacidade de alimentação.1 Os MP podem afetar o sistema reprodutivo e danificar o intestino.1 Os MPs também têm sido associados a um sistema imunitário deprimido, à suscetibilidade a doenças e ao aumento da inflamação.1 Os poluentes químicos associados aos MPs também foram associados ao cancro.1

Implicações para a saúde humana

As implicações dos MPs para a saúde humana são muitas, e apenas abordaremos algumas delas aqui. Vejamos o cancro, por exemplo. Pensa-se que a maioria dos cancros (90-95%) resulta de uma interação complexa de factores relacionados com o estilo de vida - danos acumulados ao longo da vida. Surge naturalmente a questão de saber como é que os MP podem estar a afetar o risco de cancro nos mamíferos. Atualmente, 168 pesticidas estão classificados como potenciais agentes cancerígenos.4 As MP podem atuar como vectores destes pesticidas, transportando-os para o organismo. Embora as provas sejam limitadas, estas não são boas notícias nem para os nossos primos aquáticos nem para nós.

É de notar, no entanto, que alguns investigadores consideram que o impacto dos MP na saúde humana é ainda incerto e requer mais investigação. Isto é, sem dúvida, verdade. No entanto, a investigação preliminar que tem sido feita neste domínio sugere que os MP podem ter um impacto negativo significativo na nossa saúde.

Pode ler mais sobre as implicações dos MPs para a saúde humana neste artigo.

Conselhos para evitar os microplásticos.

A solução?

Tem leite? Crédito: Pixabay/Pexels

A boa notícia é que muitos consumidores já estão a despertar para o problema do plástico, mesmo que não saibam necessariamente o que fazer a esse respeito. Existem iniciativas como The Ocean Cleanup, que está a fazer um excelente trabalho de remoção de plástico dos rios e oceanos.

Temos de mudar a forma como interagimos com o plástico. Atualmente, é impossível imaginar comprar alimentos sem plástico. Tudo está embrulhado ou contido em plástico! (Não se deixe enganar pelas bebidas em embalagens de cartão, pois estas estão revestidas com uma camada de BPA, até as bebidas enlatadas são revestidas com plástico). Penso que a chave para o fazer é olhar para o nosso passado recente.

Quase todos os alimentos que consumimos são embalados em plástico, de uma forma ou de outra. Mas não tem de ser assim. O leite costumava ser entregue em garrafas de vidro, que eram depois recolhidas e reutilizadas. Em Espanha, o vinho costumava ser comprado numa adega, trazia-se a garrafa e enchia-se diretamente do barril. A carne era embrulhada em papel kraft e era colocada no saco, que tinha de ser trazido de casa, porque nessa altura não se vendiam sacos de plástico.

Não estou a dizer que devemos voltar atrás no tempo. Há 100 anos, a vida nos países ocidentais era muito pior para muitas pessoas*. Não devemos demonizar os combustíveis fósseis porque nos deram energia e nos permitiram tirar muitas pessoas da pobreza. Mas o problema do plástico É um problema, e a minha sugestão é que olhemos para as práticas do passado.

Reduzir, reutilizar e reciclar era senso comum quando tínhamos menos. Devemos oferecer aos consumidores novas formas de comprar produtos sem plástico. Eu optaria por um sistema de garrafas de leite, mesmo que tivesse de ser eu a levar a garrafa de vidro vazia ao supermercado para a encher. O mesmo se aplica a outros produtos de consumo. Alguns consumidores podem não preferir esta forma de fazer compras, mas pelo menos deve ser uma opção. Se quisermos, devemos poder escolher produtos sem plástico. Desta forma, os nossos alimentos teriam menos contacto com o plástico e teríamos menos plástico para deitar fora.

*Ver "The Road to Wigan Pier" de George Orwell.

Conclusão

Há provas que sugerem que os MP podem estar a ter um efeito prejudicial na saúde dos mamíferos aquáticos. Este facto deve preocupar-nos não só pelo bem-estar dos mamíferos aquáticos, mas também por toda a vida na Terra, incluindo nós próprios.

Embora estejam em curso iniciativas para remover o plástico dos oceanos e dos rios, devemos mudar a forma como interagimos com o plástico. Para o fazer, sugiro que retiremos o plástico da cadeia de consumo tanto quanto possível ou, pelo menos, que demos aos consumidores a opção de não utilizarem plástico.

Se gostou deste artigo, diga-nos nos comentários. Gostamos de ouvir a sua opinião. Também pode enviar-nos um e-mail diretamente para info@ecologica.life.

Referências

  1. Os efeitos adversos para a saúde do aumento da poluição por microplásticos nos mamíferos aquáticos.
  2. Libertação de microplásticos de máscaras cirúrgicas descartadas e seus impactos adversos no copépode marinho Tigriopus japonicus.
  3. Investigação da transferência trófica de microplásticos em predadores marinhos de topo.
  4. Uma abordagem hierarquizada para dar prioridade aos pesticidas registados para avaliação do risco potencial de cancro: implicações para a tomada de decisões.
Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Deixe o campo abaixo vazio!

Também pode gostar