Atualização sobre a guerra contra os CFC

Atualizado em 8 de janeiro de 2024 por Ecologica Vida

Na década de 1980, foi descoberto um buraco no ozono sobre a Antárctida. Os cientistas rapidamente perceberam que este buraco se devia ao fabrico e utilização a nível mundial de substâncias químicas destruidoras do ozono, como os clorofluorocarbonetos (CFC). Os CFC estavam por todo o lado, desde a laca para o cabelo aos sistemas militares. Quando foram descobertos, pensava-se que os CFC eram as maravilhas químicas do mundo moderno, mas em vez disso estavam a causar uma perda desconhecida de ozono.

Rapidamente se descobriu que os CFC podiam destruir o ozono na atmosfera superior. Cientistas, instituições e governos rapidamente se uniram a nível mundial e proibiram a utilização de CFC num acordo conhecido como o Protocolo de Montreal sobre substâncias em 1987.

Este acordo é, provavelmente, o tratado internacional sobre o ambiente mais bem sucedido de sempre. De facto, dados recentes mostram que o buraco no ozono tem vindo a diminuir, prevendo-se que recupere totalmente até 2070... Se ninguém ignorar o Protocolo de Montreal.

Violação do Protocolo de Montreal

Em 2018 um estudo que chocou o mundo. Pela primeira vez desde a assinatura do Protocolo de Montreal, as emissões de CFC, nomeadamente de CFC-11 (triclorofluorometano), voltaram a aumentar entre 2010 e 2018. Este facto abalou o mundo, uma vez que o fabrico de CFC-11 deveria ter sido proibido a partir de 2010. A procura da fonte ou fontes das novas emissões de CFC foi iniciada.

O cientista conseguiu localizar 40-60% da fonte das novas emissões de CFC para a China. Todas as atenções estão agora viradas para a China, para ver se e que medidas tomará para corrigir esta violação.

A China começou a investigar as fontes de fabrico de CFC-11. O que descobriram foi que era fabricantes de espuma (utilizada no isolamento de casas) que estavam a consumir a substância ilegale compravam-na a produtores e distribuidores duvidosos.

Grande parte do gás CFC-11 foi utilizado no isolamento de casas. IMAGENS GETTY

Nova investigação sugere que a repressão da China contra o CFC-11 funcionou, uma vez que as emissões de CFC a nível mundial e na China estão agora a cair abaixo dos níveis registados antes dos anos em que se verificou o aumento do CFC-11.

No entanto, as autoridades têm de manter um esforço contínuo, porque, apesar de o fabrico de CFC-11 ter diminuído, este ainda foi incorporado em grandes quantidades em espumas e gases entre 2013 e 2019, não tendo ainda sido emitido para a atmosfera.

Os edifícios em toda a China e no resto do mundo contêm esta espuma. A Agência de Investigação Ambiental (AIA) adverte que se esta espuma não for encontrada e eliminada corretamente, poderá emitir progressivamente até 3,4 mil milhões de toneladas de CO2 - aproximadamente o montante das emissões anuais de CO2 da União Europeia.

E o resto das novas emissões de CFC?

Novos dados de 2022 mostrou de onde vieram as novas emissões de CFC de 2012-2017. Embora 40-60% do aumento tenham sido provenientes da China Oriental, também se registaram aumentos significativos na Ásia Ocidental temperada, bem como na Ásia tropical.

Mapa do mundo
Uma nova investigação do Laboratório de Monitorização Global identificou a Ásia Ocidental temperada e a Ásia tropical como duas regiões de origem adicionais para as emissões crescentes de CFC-11 identificadas pelos cientistas da NOAA em 2018. Trabalhos anteriores conseguiram identificar a China como um local de origem. Crédito: Laboratório de Monitorização Global, CC BY 4.0

Infelizmente, estas regiões abrangem áreas muito vastas em vários países. Tornar um esforço coordenado como o registado na China é mais difícil porque as fontes não são bem conhecidas. A única solução para lutar contra as novas emissões é a recolha de amostras adicionais de ar regiões como a Ásia, a África e a América do Sul, que estão muito subamostradas.

Se não forem criados locais de amostragem adicionais, a camada de ozono terá um tempo de recuperação mais difícil e mais longo. Os CFC são também gases com efeito de estufa potentes que promovem o aquecimento global. Esperemos que os cientistas, as instituições e os governos possam, uma vez mais, unir-se para resolver este problema, a bem da proteção da camada de ozono

Caminho para a recuperação

De acordo com uma análise anual de amostras de ar recolhidas em locais remotos de todo o mundo. Tem-se registado uma queda constante nas emissões globais de substâncias que empobrecem a camada de ozono.

No início de 2022, a concentração global de substâncias que empobrecem o ozono na estratosfera de latitude média tinha diminuído um pouco mais de 50% para os níveis observados em 1980. Trata-se de um marco significativo, afirmam os cientistas da Administração Nacional Oceânica e Atmosférica (NOAA). Foi graças à cooperação internacional e ao cumprimento do Protocolo de Montreal ao longo de três décadas que este objetivo foi alcançado.

Stephen Montzka, cientista sénior do Laboratório de Monitorização Global da NOAA, afirmou: "É ótimo ver este progresso. Ao mesmo tempo, é um pouco humilhante perceber que a ciência ainda está muito longe de poder afirmar que a questão da destruição do ozono está ultrapassada". Se continuarmos a acompanhar de perto a situação e a sermos pró-activos na proteção do ozono, a atmosfera sobre o hemisfério sul e o pólo sul deverá recuperar totalmente até 2070.

Também pode gostar