O custo económico da poluição atmosférica

Atualizado em 8 de janeiro de 2024 por Ecologica Vida

O Centro de Investigação sobre Energia e Ar Limpo (CREA) publicou um avaliação do custo económico global da poluição atmosférica causada pelos combustíveis fósseis. O relatório, publicado em 2020, descreve o seguinte:

Os custos económicos da poluição atmosférica causada pelos combustíveis fósseis foram estimados em $2,9 biliões de dólares em 2018, ou seja, 3,3% do PIB mundial, substancialmente para além de os custos prováveis de reduções rápidas de consumo de combustíveis fósseis

A poluição atmosférica causada pelas emissões de combustíveis fósseis causou cerca de 4,5 milhões de mortes em 2018. Cada morte resulta numa perda média de 19 anos de vida.

Os elevados níveis de poluição por partículas de combustíveis fósseis (PM2,5) foram responsáveis por 1,8 mil milhões de dias de trabalho perdidos, 4 milhões de novos casos de asma infantil e 2 milhões de nascimentos prematuros. Estes são apenas alguns dos impactos na saúde que influenciam o bem-estar, a produtividade económica e as despesas com os cuidados de saúde.

Para saber mais sobre os tipos de poluição atmosférica, ver este artigo

Um gráfico que mostra os custos económicos da poluição atmosférica causada por combustíveis fósseis para cada país em percentagem do PIB em 2018

Como a poluição atmosférica afecta a economia

Vamos lá ver o que se passa:

Perda de mão de obra e diminuição da produtividade

A exposição à poluição atmosférica aumenta o risco de doenças como a asma, a diabetes, as doenças cardíacas, os acidentes vasculares cerebrais e as doenças respiratórias crónicas. Isto leva a uma redução da capacidade de trabalho, a uma diminuição da participação no mercado de trabalho e a um aumento das despesas com cuidados de saúde. Para as pessoas que já têm problemas de saúde, a poluição atmosférica aumenta o risco de desenvolverem complicações decorrentes dessas doenças.

O aumento dos ataques de asma e dos dias de doença nas crianças afecta os resultados da aprendizagem na escola, aumenta os custos dos cuidados de saúde e obriga frequentemente os seus cuidadores a faltarem ao trabalho. O aumento das infecções respiratórias e de outras doenças menores nos adultos aumenta as faltas ao trabalho.

Os nascimentos prematuros ligados à exposição à poluição atmosférica aumentam os custos dos cuidados de saúde e os riscos de numerosos problemas de saúde ao longo da vida dos bebés afectados.

Danos aos ecossistemas e à biodiversidade (destruição dos recursos naturais)

A capacidade dos ecossistemas para funcionar e prosperar é prejudicada pela poluição atmosférica, especialmente as emissões de enxofre e de azoto, bem como o ozono troposférico. As emissões de dióxido de enxofre e de óxido de azoto provocam "chuvas ácidas", que aumentam a acidez da água, da vegetação e dos solos e têm um impacto negativo na flora e na vida selvagem.

Em última análise, a acidificação tem um impacto na capacidade dos ecossistemas de oferecerem "serviços ecossistémicos". Estes incluem o fornecimento de água e o ciclo de nutrientes e carbono, que são essenciais para o planeta e para a vida humana.

Alterações climáticas aceleradas

A primeira coisa que vem à mente quando se fala de alterações climáticas são os gases com efeito de estufa. Estas substâncias retêm o calor do sol na atmosfera da Terra e impedem-no de irradiar para o espaço. Produzindo o que é conhecido como efeito de estufa.

O dióxido de carbono (CO2) é o gás mais frequentemente produzido pela atividade humana. Cerca de 64% do aquecimento global causado pelo homem deve-se ao CO2. O CO2 é produzido na extração e combustão de combustíveis fósseis, como o carvão e o petróleo. O dióxido de carbono pode permanecer na atmosfera durante milhares de anos, o que torna o seu impacto no ambiente mais significativo.

Projecções para o futuro do nosso ar

De acordo com as previsões da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), o aumento da atividade económica e da procura de energia resultará num grande aumento das emissões mundiais de poluentes atmosféricos na ausência de novas e mais rigorosas restrições.

Prevê-se que o aumento das emissões de poluentes atmosféricos resultará em maiores ozono troposférico e as concentrações de PM2,5. As concentrações médias de PM2,5 e de ozono já são muito acima dos níveis recomendado pelas directrizes de qualidade do ar da OMS para a maioria da população mundial.

O aumento previsto da poluição por PM2,5 e ozono terá, por sua vez, efeitos substanciais na economia e na saúde pública. Até 2060, o número anual de dias de trabalho perdidos aumentará de 1,8 mil milhões para 3,7 mil milhões. Prevê-se que o número de mortes prematuras devido à poluição atmosférica aumente de 4,5 milhões para 6-9 milhões por ano até 2060, especialmente em zonas de elevada densidade populacional como a China e a Índia.

Como resolver o problema da poluição atmosférica?

Se aplicadas corretamente, as políticas de controlo das emissões de poluentes atmosféricos melhorariam a qualidade do ar, reduziriam a probabilidade de efeitos extremamente graves para a saúde e produziriam benefícios adicionais significativos para o ambiente. As potenciais repercussões económicas dos efeitos da poluição atmosférica exterior são graves e sublinham a necessidade de uma ação legislativa forte.

Não existe um método único para reduzir os impactos da poluição atmosférica. As políticas devem ser adaptadas às condições locais únicas, porque as fontes de emissão de poluentes atmosféricos e os efeitos económicos da poluição atmosférica estão distribuídos de forma muito desigual pelas diferentes regiões. No entanto, as políticas que incentivam a utilização de dispositivos de fim-de-tuboA imposição de normas de qualidade do ar e a tarifação das emissões ajudarão certamente a evitar os piores impactos.

A longo prazo, a política ambiental beneficiará a economia, porque incentiva a utilização eficiente dos recursos e os benefícios para a saúde, o que aumentaria o PIB em até 10%. Os preços de fabrico do equipamento necessário serão reduzidos à medida que o mercado das tecnologias limpas se expande. Os países que avançam primeiro aumentam as suas possibilidades de desenvolvimento de uma indústria de tecnologias limpas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Deixe o campo abaixo vazio!

Também pode gostar