Crédito: Daniel Frese/Pexels

Portugal pode funcionar com energias renováveis durante um recorde de 6 dias

Atualizado pela última vez em fevereiro 29, 2024 por Ecologica Vida

Portugal produziu mais energia renovável do que consumiu durante 149 horas consecutivas.

Na madrugada do Dia das Bruxas, Portugal começou uma série de recordes. Durante seis dias, o país produziu mais energia renovável do que aquela que podia consumir.

Embora isto não inclua tudo, como os transportes, não deixa de ser uma notícia muito interessante.

Neste artigo, faremos uma breve análise das realizações de Portugal no domínio das energias renováveis e da forma como foram alcançadas. Examinaremos os factores subjacentes ao avanço de Portugal e compararemos os seus progressos com os da UE e dos EUA. Por fim, comentaremos as potenciais desvantagens da transição para as energias renováveis e a forma como Portugal está a lidar com elas.

Uma série de recordes

A imagem mostra um moinho de vento
Crédito: Pixabay/Pexels

Entre 31 de outubro e 6 de novembro de 2023 (149 horas consecutivas), Portugal produziu 1.102 gigawatts-hora (GWh) de energia renovável. Este valor foi superior aos 840 GWh utilizados pela indústria e pelas famílias. O excedente de energia foi exportado para Espanha.

Este recorde supera o anterior, registado em 2019, que foi de 131 horas consecutivas de energia renovável.

Portugal também produz a maior parte da sua eletricidade a partir de fontes renováveis durante todo o ano. Em janeiro de 2022, em Portugal Continental, foram produzidos 4.085 GWh de eletricidade, dos quais 63,64% com origem em fontes renováveis.

A repartição das fontes de energia renováveis foi a seguinte: energia eólica com 31,27%, hidroeletricidade com 17,78%, bioenergia com 6,99%, energia solar com 3,80% e hidroeletricidade por bombagem com 3,80%.

36,36% do cabaz energético consistiram em combustíveis fósseis importados. Nomeadamente, o gás natural, por si só, representou 31,27% da produção total de energia.

Dois gráficos que mostram a distribuição da produção de eletricidade por fonte em Portugal continental: em 2020-2021 / e em janeiro de 2022.

Em 2020, Lisboa, a capital de Portugal, recebeu o título de "Capital Verde Europeia". Esta distinção foi concedida em reconhecimento das suas significativas realizações ambientais, incluindo uma redução de 50% nas emissões de CO2 entre 2002 e 2014. Lisboa também se orgulha de ter uma das maiores redes de pontos de carregamento de veículos eléctricos do mundo.

Existem atualmente 36 Capitais Verdes Europeias, incluindo Amesterdão, Bristol, Copenhaga e Glasgow.

Onde é que Portugal vai buscar a sua energia?

É importante notar que as centrais de combustíveis fósseis ainda estavam a funcionar durante esta série de recordes. No entanto, estes registos nacionais sugerem que Portugal poderá reduzir a dependência dos combustíveis fósseis em breve. Portugal já não utiliza carvão, mas continua a depender do gás natural.

As principais fontes de energia renovável em Portugal são a eólica e a solar. Em janeiro de 2023, a empresa de energia EDPR anunciou a ligação do primeiro parque híbrido solar-eólico na Península Ibérica. As explorações híbridas são particularmente eficazes porque uma fonte de energia tende a compensar a falta da outra.

A energia hidroelétrica e a energia solar também funcionam particularmente bem em conjunto, como se pode ver no vídeo abaixo:

Porque é que Portugal está tão avançado nas energias renováveis?

Portugal é um país pioneiro no domínio das energias renováveis. Embora a União Europeia só se tenha comprometido com a neutralidade carbónica até 2050 em 2019, portugal assumiu este compromisso em 2016. Além disso, Portugal tinha estabelecido o objetivo de eliminar o carvão como fonte de combustível até 2030.

Notavelmente, com o encerramento da sua última central eléctrica alimentada a carvão em 2021, atingiu este objetivo nove anos antes do previsto.

Até há bem pouco tempo, Portugal utilizava tantos combustíveis fósseis como qualquer outro país da UE. Em 2010, Portugal importou 80% da sua energia, principalmente petróleo e gás natural. Portugal está agora a caminhar para a independência energética.

Então, como é que Portugal conseguiu fazer esta transição para as energias renováveis tão rapidamente?

Vantagens geográficas

Açores, Portugal. Crédito: Tom Swinnen/Pexels

A geografia de Portugal é muito propícia às energias renováveis. Portugal tem uma longa costa atlântica, que é ideal para parques eólicos. Para além disso, a sua latitude sul e o seu clima são ideais para a produção de energia solar. Tem também algumas áreas que são ideais para a produção de energia hidroelétrica.

Decisões políticas

Portugal iniciou o seu apoio às energias renováveis com a introdução de Decreto-lei 189/88. Foi criado um sistema de tarifas de alimentação (FiT) aplicável a todas as formas de energias renováveis. Esta política tinha como objetivo estimular o investimento em tecnologias de energias renováveis, proporcionando acordos contratuais a longo prazo aos produtores de energias renováveis.

Na década de 1990, a UE introduziu políticas para incentivar um mercado europeu unificado da eletricidade e promover as energias renováveis. O objetivo era reduzir a poluição ambiental e dissociar o crescimento económico dos danos ambientais. Durante este período, Portugal transformou o seu mercado da eletricidade. Em 1995, passou de um monopólio controlado pelo Estado para uma estrutura de mercado dupla, constituída por um sistema de serviço público e um sistema liberalizado.

Além disso, os governos português e espanhol planearam a integração dos mercados de eletricidade dos dois países num único Mercado Ibérico de Eletricidade (MIBEL), que foi lançado em julho de 2007. Na sequência desta integração, a liberalização do mercado português de eletricidade atingiu um ponto em que todos os consumidores tinham a liberdade de escolher e mudar de fornecedor de eletricidade.

Apoio público

Existe um forte apoio público à sustentabilidade em Portugal. Um estudo recente encomendado pela APREN (Associação Portuguesa de Energias Renováveis), revelou que 60% dos inquiridos consideram que Portugal não está a fazer o suficiente para reduzir as emissões de gases com efeito de estufa.

Além disso, mais de 80% dos inquiridos consideram que o custo da eletricidade em Portugal é mais elevado do que a média europeia. Em resposta, 88% apoiam a utilização de fontes de energia renováveis em vez de combustíveis fósseis para reduzir os preços da energia.

Esta mentalidade social tem sido fundamental para a aceitação e apoio das políticas governamentais em matéria de energias renováveis.

Vantagem dos retardatários

A teoria da 'vantagem do retardatário' estabelece uma distinção entre os países "pioneiros" e os "seguidores". Sugere que os países "seguidores" beneficiam do facto de não terem de suportar os custos iniciais do desenvolvimento de novas tecnologias. Podem adotar inovações avançadas já desenvolvidas pelos pioneiros.

Portugal, enquanto economia intermédia, exemplifica esta situação como um "seguidor" da mudança tecnológica iniciada pelas economias avançadas. Esta posição permitiu a Portugal fazer progressos significativos no domínio das energias renováveis de forma eficiente, utilizando os últimos avanços sem suportar os custos de desenvolvimento inicial.

Portugal vs. UE vs. EUA

A maioria dos países da UE não registou uma transição para as energias renováveis tão rápida como a de Portugal. No entanto, os países da UE tendem a depender menos do carvão e dos combustíveis fósseis.

Em geral, a UE está a produzir mais energia a partir de energias renováveis e biocombustíveis e menos a partir de combustíveis fósseis sólidos, petróleo e produtos petrolíferos. No entanto, está a produzir mais energia a partir do gás natural. A utilização da energia nuclear não registou grandes alterações nas últimas três décadas.

Portugal nem sequer é o país que utiliza mais energia renovável. Em 2021, a Islândia e a Noruega utilizaram uma percentagem mais elevada de energia renovável (70-80%).

O gráfico mostra a quota de energia proveniente de fontes renováveis nos países da UE em 2021.
Crédito: Eurostat

No entanto, a partir de 2023, 60% do consumo de eletricidade em Portugal provém de fontes renováveis, com o objetivo de aumentar para 80% até 2026.

Para comparação, os EUA produzem cerca de 13,1% da sua energia a partir de fontes renováveis.

Existem desvantagens?

A transição para as energias renováveis 100% apresenta desafios que devem ser cuidadosamente geridos.

  1. Intermitência e fiabilidade: As fontes renováveis, como a solar e a eólica, são intermitentes. Este facto pode levar a problemas de fiabilidade na rede de energia, a menos que existam soluções eficazes de armazenamento ou sistemas de reserva. São necessários progressos significativos na tecnologia de armazenamento de energia para fazer face à intermitência das fontes de energia renováveis.
  2. Impacto ambiental: Embora as fontes de energia renováveis sejam geralmente mais limpas do que os combustíveis fósseis, continuam a ter impactos ambientais. Por exemplo, os parques solares e as turbinas eólicas em grande escala podem afetar os ecossistemas locais e a vida selvagem. O fabrico e a eliminação dos painéis solares e das turbinas eólicas também têm um impacto ambiental.
  3. Custo: A mudança para as energias renováveis pode efetivamente aumentar o custo da energia, especialmente a curto prazo. Se não for devidamente gerido, o aumento dos custos energéticos afectará os mais vulneráveis da sociedade. Posto isto, Pedro Amaral Jorge, Presidente da APREN, destacou que em Portugal, o preço da eletricidade desceu 3,5% em 2019 e mais 0,4% em 2020.
  4. Modernização e gestão da rede eléctrica: A integração de níveis elevados de energias renováveis na rede existente exige tecnologias avançadas de gestão da rede e uma modernização significativa da infraestrutura da rede para garantir a estabilidade e a eficiência.

Como é que Portugal está a abordar estas questões?

Portugal está a adotar várias estratégias e tecnologias para atenuar os desafios associados à transição para as energias renováveis. Estes esforços centram-se no armazenamento de energia, na avaliação do impacto ecológico e na produção de hidrogénio verde:

Desenvolvimento do armazenamento de energia

O Plano Nacional de Energia e Clima para 2020, aprovado pelo Governo português, sublinha a importância do armazenamento de energia na integração da produção de energia renovável na rede, especialmente à medida que Portugal se afasta das centrais eléctricas alimentadas a combustíveis fósseis.

Avaliações de Impacto Ecológico

A construção de instalações de armazenamento de energia, especialmente as que estão localizadas em conjunto com novas centrais de produção de eletricidade, exige o cumprimento de regras de avaliação ambiental.

No entanto, numa ação controversa, Portugal decidiu abolir a obrigatoriedade de AIA para determinados projectos. Entre estes incluem-se os projectos de hidrogénio verde, as instalações solares com menos de 100 hectares e os parques eólicos com torres a mais de 2 km de distância.

O objetivo é acelerar os investimentos no hidrogénio verde e nas energias renováveis. No entanto, esta medida de desburocratização foi criticada pelos ambientalistas, preocupados com o potencial impacto na natureza.

Produção de hidrogénio verde

Portugal pretende tornar-se um grande produtor e exportador de hidrogénio verde, com investimentos significativos previstos neste domínio. O hidrogénio verde, produzido a partir de energia solar e eólica, é visto como uma fonte de energia essencial para reduzir a poluição em várias indústrias.

Portugal vai manter-se renovável?

Porto, Portugal. Crédito: Magda Ehlers/Pexels

Apesar dos potenciais inconvenientes, Portugal está a gerir muito bem a transição para as energias renováveis. O seu sucesso faz com que seja provável que continue nesta via no futuro.

A REN, empresa responsável pelo fornecimento de eletricidade e gás em Portugal, afirmou em comunicado que "estes resultados significativos confirmam que Portugal tem vindo a manter uma trajetória sustentável na integração progressiva de fontes renováveis endógenas, mantendo os objectivos primordiais de segurança de abastecimento e qualidade de serviço".

Tal como o resto da Europa, é provável que Portugal continue a expandir a sua capacidade de produção de energia renovável. O país já encerrou todas as suas centrais a carvão e planeia desativar todas as suas centrais a gás natural até 2040.

Deixe-nos saber o que pensa sobre a transição energética de Portugal nos comentários. Como se compara a utilização de energia no seu país?

Ler mais

Impacto das energias renováveis - APREN

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Deixe o campo abaixo vazio!

Também pode gostar