O que é que as vespas fazem pelo ambiente?

Atualizado em maio 17, 2024 por Ecologica Vida

O verão traz o sol, os churrascos e, infelizmente, as vespas. Mas antes de as matar, pense nisto: as vespas podem ser alguns dos heróis desconhecidos da natureza.

Se nos livrássemos das vespas, o mundo daria por isso? As vespas fazem alguma coisa pelo ambiente? Os cientistas dizem que sim e, afinal, as vespas são mais interessantes do que a maioria de nós pensa.

Continue a ler para saber mais sobre a vida interessante e complexa das vespas e porque é que as vespas são úteis.

Introdução

É verão, está num churrasco ou no parque, quando de repente ouve um zumbido forte. É uma vespa que não o deixa em paz, nem a si nem à sua comida/piquenique. São uns insectos fantásticos e irritantes.

Mas não são apenas irritantes: se tivermos sorte, podem até picar-nos, o que geralmente não é uma experiência agradável. A dor, o zumbido e os ataques à nossa comida fazem com que as vespas sejam, sem surpresa, um dos animais menos preferidos das pessoas.

As abelhas, por outro lado, têm uma reputação bastante boa. As pessoas preocupam-se com as abelhas. Tanto assim é que existem movimentos a nível mundial para proteger as populações de abelhas. Os apicultores dos EUA comunicaram que tinham estabilizado a população de abelhas em 2023.

Os abelhões falham no teste de visão a cores devido a um pesticida comum.

Apesar do incómodo, as vespas têm uma vida fascinante e são também muito importantes para o ambiente. As vespas estão a enfrentar problemas semelhantes aos das abelhas e, por isso, é importante que paremos um pouco para as compreender melhor antes de as considerarmos, por ignorância, como pragas de verão.

Não estaríamos certamente melhor sem eles.

O que é que as vespas fazem?

As espécies que vivem em colónias e constroem ninhos representam apenas uma pequena fração da diversidade total de vespas. Só no Reino Unido existem mais de 9.000 espécies de vespas. A maioria das vespas não são vespas sociais, são criaturas solitárias (também chamadas vespas caçadoras). Algumas delas são tão pequenas que são quase microscópicas. É pouco provável que encontre vespas solitárias e estas são largamente ignoradas. As vespas solitárias podem ser pretas e amarelas, mas também pretas e cor de laranja, pretas iridescentes (brilhantes) ou roxas.

A imagem mostra um exemplo de uma vespa solitária. Esta é uma vespa de Potter a construir o seu ninho de lama.
A vespa de Potter é um tipo de vespa solitária. Esta está a completar o seu ninho de lama. Crédito: Ian Alexander/Wikimedia

Os insectos a que todos chamamos "vespas" são, na realidade, um subgrupo de vespas conhecido como vespas sociais (ou jaquetas-amarelas). Estas vespas sociais formam colónias constituídas por centenas de milhares de operárias, na sua maioria estéreis (com alguns machos férteis) e a sua mãe muito maior, a rainha que põe ovos.

A imagem mostra Vespula Germanica, um exemplo de vespa social.
Uma vespa social, Vespula Germanica. Crédito: Richard Bartz/Wikimedia.

A rainha liberta uma feromona que bloqueia o desenvolvimento reprodutivo das operárias. Quando a rainha morre, as operárias começam a desenvolver ovários num par de semanas e podem eventualmente pôr ovos. No entanto, as vespas que nascem destes ovos são sempre machos. Esta é a forma de a natureza garantir que, mesmo que a rainha morra cedo, o seu ADN possa ser transmitido.

Os ninhos das vespas sociais são feitos de fibras de madeira recolhidas e misturadas com água por vespas operárias diligentes. Isto cria uma espécie de papel machê que forma estruturas fortes e duráveis. A construção do ninho começa no final da primavera, quando a rainha sai da hibernação. A rainha começa por construir um pequeno ninho com algumas células de papel. Ela tem de criar sozinha o primeiro grupo de obreiras. Quando estas primeiras operárias amadurecem, assumem as várias tarefas necessárias para sustentar a colónia em crescimento.

A imagem mostra vespas sociais a construir um ninho de papel.
Vespas sociais a construir um ninho de papel. Crédito: Kathy Jones/Wikimedia.

As vespas operárias cuidam incansavelmente das suas irmãs, desempenhando tarefas como a construção do ninho, a defesa, a recolha de alimentos e o cuidado da rainha. Surpreendentemente, a colónia é capaz de se organizar de forma eficiente, de modo a que cada operária saiba onde deve estar.

À medida que a colónia cresce, as operárias alimentam certas larvas jovens a uma taxa muito mais elevada, desencadeando alterações genéticas que desenvolvem potenciais rainhas (gynes) em vez de operárias. Um ninho de vespas médio produz entre 1000 e 2000 rainhas por estação. Depois de acasalarem com machos de outras colónias, as ginases podem permanecer no ninho durante o inverno, dando início a uma nova colónia na primavera seguinte.

Os machos das vespas (zangões), que não participam nas actividades da colónia, desenvolvem-se a partir de ovos não fertilizados através de um processo chamado haplodiploidia, que também se encontra nas abelhas e nas formigas. Os zangões permanecem no ninho até que as rainhas os expulsem. A partir daí, mantêm-se afastados do ninho. Alimentam-se e aguardam o momento certo até encontrarem uma fêmea para acasalar.

Pensem o que quiserem, mas a vida social destas vespas não é aborrecida. No entanto, as vespas não produzem mel. Então, para que é que servem as vespas? Qual é a função das vespas?

O papel das vespas no ambiente

Qual é o objetivo das vespas? As vespas são polinizadoras? Para que é que as vespas são boas no ambiente? Bem, as vespas têm dois papéis fundamentais no ambiente: O controlo de pragas e a polinização.

Em primeiro lugar, as vespas desempenham um papel ecológico importante, controlando o número de pragas como as moscas verdes e as lagartas. Calcula-se que, só no Reino Unido, as vespas sociais sejam responsáveis por 14 milhões de quilos de presas de insectos durante o verão.1 Para pôr isto em perspetiva, é aproximadamente o peso de 112 autocarros de dois andares! Imaginem um mundo com muito mais pragas nas nossas culturas e jardins sem estes diligentes caçadores.

Para além de serem predadores ferozes, as vespas são cada vez mais reconhecidas como polinizadores valiosos, transferindo pólen quando visitam as flores para beber néctar. A sua atração por líquidos doces explica a razão pela qual se tornam particularmente incómodas no final do verão.

No final de agosto, os ninhos de vespas estão cheios de operárias, mas estas deixam de criar larvas. Quando os ninhos têm larvas, as operárias precisam de recolher proteínas. Por isso, caçam invertebrados nos nossos jardins. Uma vez alimentadas, as larvas convertem este alimento rico em proteínas em hidratos de carbono, que segregam em gotículas açucaradas que alimentam as vespas operárias.

Quando as larvas desaparecem, as vespas adultas têm de encontrar fontes alternativas de açúcar. Normalmente, procuram o néctar, mas é claro que são naturalmente atraídas pelos nossos alimentos e bebidas açucarados. Isto faz com que os encontros fortuitos com elas sejam particularmente elevados no final do verão, quando estamos a comer ao ar livre e a desfrutar do tempo.

Investigadores da UCL e da Universidade de East Anglia encontraram recentemente provas de que as vespas visitam 960 espécies de plantas.2 Entre elas, 164 espécies que dependem completamente das vespas para a polinização. Algumas orquídeas chegam mesmo a imitar a aparência das vespas fêmeas para atrair as vespas para a polinização. Os investigadores sugerem que, uma vez que muitas vespas visitam uma gama diversificada de plantas, poderiam atuar como polinizadores de reserva para plantas que perderam os seus polinizadores locais primários.

É de referir aqui que os Agaonidae, vulgarmente conhecidos como vespas da figueira, são os únicos polinizadores de cerca de 1000 espécies de figueiras. Este facto torna-as essenciais para a sobrevivência destas plantas. Por sua vez, as vespas da figueira dependem inteiramente das figueiras para a sua própria sobrevivência. Este facto cria uma relação totalmente mutualista em que ambas as espécies beneficiam da sua estreita co-evolução.

Além disso, as vespas são também presas de algumas espécies em particular. Enquanto a maioria das espécies se afasta das vespas devido ao seu ferrão, os abelharucos (da família das aves Meropidae) especializam-se em comer insectos com ferrão. Removem o veneno do ferrão esfregando repetidamente a presa contra um objeto duro, como um ramo. Outros predadores são o abutre e o papa-moscas.

Em Medicina

Para além do seu papel ecológico, as vespas têm potencial médico. O veneno das vespas solitárias e sociais contém antibióticos que preservam as suas presas, mantendo-as livres de doenças. Para além disso, as larvas das vespas sociais produzem secreções ricas em antimicrobianos que as vespas operárias aplicam nos seus corpos, nas crias e nos ninhos.

Estes antimicrobianos são promissores no combate aos agentes patogénicos humanos. Um agente patogénico de particular destaque é Mycobaterium abscessus, um agente patogénico humano cada vez mais importante devido à sua resistência a vários medicamentos antimicrobianos. Um estudo inédito realizado em 2016 mostrou que um péptido conhecido como polydim-I do veneno de vespa induz a rutura da parede celular bacteriana sem ter quaisquer efeitos tóxicos nas células dos mamíferos.3 Os investigadores trataram igualmente ratinhos infectados com esta bactéria e induziram uma redução de 0,8 a 1 log da carga bacteriana nos pulmões, no baço e no fígado.

Até os ninhos de vespas sociais, como os da Polistes espécies, foram encontrados para possuir propriedades antibióticas, eficazes contra bactérias como Stretococcus mutans, que está associada à cárie dentária, bem como Actinomicetos e Lactobacillus.4 Curiosamente, estes ninhos (Nidus Vespae) são considerados uma forma de medicina tradicional chinesa para a dor de dentes através da escovagem dos dentes.5 É também utilizado para tratar uma variedade de doenças, incluindo doenças cardiovasculares, perturbações digestivas e urinárias.

Num estudo empolgante de 2020, um péptido derivado do veneno de vespa foi convertido num potente antimicrobiano capaz de resolver infecções que de outra forma seriam letais em ratos.6 O péptido visava a membrana bacteriana, modulando simultaneamente a resposta imunitária do hospedeiro e atenuando a inflamação indesejada. As moléculas derivadas do veneno podem ser uma nova e excitante fonte de antibióticos muito necessários.

Por último, uma das perspectivas médicas mais intrigantes é a utilização do mastoparan, um composto encontrado no veneno das vespas sociais.7 Esta família de péptidos visa seletivamente as células cancerosas em detrimento das saudáveis. No entanto, a sua aplicação prática no tratamento do cancro está ainda nas fases iniciais da investigação.

A natureza é inteligente, e deveríamos olhar mais para ela em busca de respostas. Alguns dos nossos melhores medicamentos até à data provêm da natureza.

Resumo

As vespas têm uma vida complexa e interessante. A maior parte delas são criaturas solitárias, as poucas que interagem connosco tendem a ser do tipo social. As vespas desempenham um papel ecológico fundamental na predação e polinização do ambiente. Quando não conseguem obter açúcar das suas larvas, procuram néctar e alimentos açucarados. Isto explica por que razão os encontros com vespas aumentam no final do verão. Por fim, o estudo dos nossos pequenos amigos zumbidores (ligeiramente agressivos) revelou que o seu veneno e até os seus ninhos poderiam ter aplicações médicas.

Compreender as vespas é um passo mais perto de apreciar a sua importância. Pode continuar a não gostar delas, e não há problema, mas esperemos que, da próxima vez que vir um colete amarelo, pense nele como algo mais do que uma simples praga.

Diga-nos se conseguimos mudar a sua opinião sobre as vespas nos comentários! E não te esqueças de partilhar este artigo com os teus amigos que odeiam vespas.

Referências

  1. Qual é realmente o objetivo das vespas? - BBC.
  2. Brock, R.E., Cini, A. e Sumner, S. (2021), Ecosystem services provided by aculeate wasps. Biol Rev, 96: 1645-1675. https://doi.org/10.1111/brv.12719.
  3. Das Neves RC, Trentini MM, de Castro e Silva J, Simon KS, Bocca AL, Silva LP, et al. (2016) Atividade antimicobacteriana de um novo péptido Polydim-I isolado de uma vespa social neotropical Polybia dimorpha. PLoS ONE 11(3): e0149729. https://doi.org/10.1371/journal.pone.0149729.
  4. Xiaoxu Guan, Yi Zhou, Xue Liang, Jin Xiao, Libang He, Jiyao Li, Efeitos dos compostos encontrados em Nidus Vespae no crescimento e nos factores de virulência cariogénica de Streptococcus mutans, Microbiological Research, Volume 167, Número 2, 2012, Páginas 61-68, ISSN 0944-5013, https://doi.org/10.1016/j.micres.2011.03.002.
  5. Jin Xiao, Yuan Liu, Yu Ling Zuo, Ji Yao Li, Ling Ye, Xue Dong Zhou, Effects of Nidus Vespae extract and chemical fractions on the growth and acidogenicity of oral microorganisms, Archives of Oral Biology, Volume 51, Número 9, 2006, Páginas 804-813, ISSN 0003-9969, https://doi.org/10.1016/j.archoralbio.2006.03.014.
  6. Silva, O.N. et al. (2020) ?Repurposing a peptide toxin from Wasp Venom into antiinfectives with dual antimicrobial and immunomodulatory properties? Actas da Academia Nacional de Ciências, 117(43), pp. 26936?26945. doi:10.1073/pnas.2012379117.
  7. Natália Bueno Leite, Anders Aufderhorst-Roberts, Mario Sergio Palma, Simon D. Connell, João Ruggiero Neto, Paul A. Beales, PE e PS Lipids Synergistically Enhance Membrane Poration by a Peptide with Anticancer Properties, Biophysical Journal, Volume 109, Issue 5, 2015, Pages 936-947, ISSN 0006-3495, https://doi.org/10.1016/j.bpj.2015.07.033.
Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Deixe o campo abaixo vazio!

Também pode gostar