Causas e consequências da subida do nível do mar

Atualizado em março 30, 2023 por Ecologica Vida

As alterações climáticas e o aquecimento global estão a provocar o derretimento de enormes quantidades de gelo do mar Ártico todos os anos. Em média, o nível do mar subiu cerca de 23 centímetros desde 1880, e quase metade da subida ocorreu nos últimos 25 anos. Todos os anos, o mar sobe mais 3,4 milímetros. A novo estudo publicado em 15 de fevereiro de 2022O relatório da Comissão Europeia sobre o nível do mar, de 2003, mostra que a taxa de subida do nível do mar está a acelerar e prevê-se que aumente 30 centímetros até 2050 nos Estados Unidos.

Esta informação é derivada de dados técnicos publicados pela Administração Nacional Oceânica e Atmosférica dos EUA (NOAA)

Mesmo a mais pequena subida do nível do mar pode ter consequências terríveis para as pessoas que vivem na costa. À medida que a água do mar se desloca para o interior, pode provocar a erosão dos solos, a inundação de zonas húmidas, a contaminação de terrenos agrícolas e de aquíferos e, consequentemente, a perda de habitat para peixes, aves e plantas.

A fusão dos pólos

O Painel Intergovernamental sobre as Alterações Climáticas (IPCC) da ONU num relatório especial, estima que, entre 2006 e 2015, o degelo das calotas polares injectou anualmente mais de 430 gigatoneladas de água doce nos oceanos devido ao aquecimento do clima global.

As grandes formações de gelo, sob a forma de glaciares e calotes, derretem sem voltar à sua forma habitual. Normalmente, estas estruturas gigantescas de gelo derretiam parcialmente durante o verão e voltavam ao seu estado sólido quando as temperaturas de inverno regressavam. Atualmente, devido ao aquecimento global, a queda de neve é mais suave, os Invernos são mais tardios e as Primaveras mais precoces, pelo que o gelo não volta a juntar-se na mesma forma e quantidade.

Cena de uma inundação costeira e
As inundações podem ter consequências graves para a vida costeira. Foto de Mateus em Unsplash

Consequências da subida do nível do mar

As inundações oceânicas variam de uma região para outra do mundo. No entanto, ameaçam sobretudo as pessoas que vivem em ilhas e em zonas costeiras. Nas próximas décadas, cerca de 745 milhões de pessoas estarão expostas a inundações cada vez mais frequentes, tempestades e outros fenómenos extremos que são devastadores para a vida humana e o ambiente, segundo o IPCC.

A subida do nível do mar pode também agravar a erosão costeira, piorar a qualidade da água potável e de irrigação, danificar o património histórico e artístico, afetar os transportes e a atividade económica nas cidades e submergir terras agrícolas, sítios naturais, casas e até aldeias inteiras, transformando os seus habitantes em refugiados climáticos.

Previsões da subida do nível do mar

Há anos que a NASA segue a superfície oceânica global, acompanhando a evolução do nível do mar através de observações por satélite a partir do espaço. Até ao ano 2100, a agência prevê que o nível do mar suba mais 30 a 122 centímetros a nível mundial. A menos que não se registem reduções drásticas nas emissões de gases com efeito de estufa.

O aumento previsto do nível do mar deixaria milhares de quilómetros de terra à mercê de inundações. Comprometendo a segurança e o abastecimento de água de milhões de pessoas em todo o mundo, especialmente as que vivem em ilhas e em zonas costeiras. Para não falar do perigo para todas as plantas e animais que vivem nestas regiões.

Estas previsões têm implicações importantes. Uma das maiores preocupações é a provável migração para longe das costas. Em 2021, o relatório Groundswell do Banco Mundial estimou que, até 2050, as alterações climáticas obrigarão 216 milhões de pessoas em seis regiões do mundo a deslocarem-se dentro dos seus próprios países. Até 250 milhões de pessoas, em todos os continentes, poderão ser "diretamente afectadas" até 2100, de acordo com um relatório de 2019 estudo da revista Nature Communications.

O futuro das cidades situadas junto ao mar

A consequência inevitável das alterações climáticas é muito difícil de imaginar para os seres humanos. Temos duas opções: enfrentar os custos ambientais e económicos de frente ou concentrarmo-nos na redução dos nossos gases com efeito de estufa e adaptar um mundo melhor para as gerações futuras. O que fazemos hoje determina o que acontecerá amanhã. Minimizemos o mais possível os efeitos das alterações climáticas e criemos um futuro melhor para o futuro.

O que pensa sobre este artigo? Deixe-nos um comentário ou uma sugestão.

Também pode gostar